Uma incrível coincidência

Por Dinheiro Público & Cia

Entre muitas providências meritórias, a Lei de Responsabilidade Fiscal determina que o governo faça, a cada bimestre, uma reavaliação das receitas e despesas projetadas para o ano. O objetivo é verificar se é necessário promover algum corte de gastos para cumprir as metas fixadas ou, pelo contrário, se há arrecadação sobrando e margem para gastar mais.

A reavaliação relativa ao quarto bimestre de 2013 foi divulgada hoje. Nela, o governo elevou a estimativa para seis despesas, enquanto quatro outras foram recalculadas para baixo. Tudo somado e subtraído, projetou-se um gasto adicional de exatos R$ 4,7443 bilhões.

Do lado das receitas, cinco tiveram suas previsões reduzidas, enquanto nove foram elevadas. Ao todo, projetou-se uma arrrecadação adicional de, com precisão de quatro casas depois da vírgula, R$ 4,7443 bilhões.

Em resumo, não será preciso mudar nada na política fiscal _que descumpriu as metas em três dos últimos quatro anos.