Dinheiro Público & Cia

Receita e despesa, economia e política

 -

Blog explica como os governos tributam os cidadãos e utilizam o dinheiro público.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Salários no serviço público ainda crescem, mas ritmo dos anos Lula ficou para trás

Por Dinheiro Público & Cia

Um dos setores da sociedade mais beneficiados na era de crescimento econômico mais acelerado dos anos Lula, o funcionalismo público mantém hoje vantagens salariais, mas com progressos mais modestos ou perdas de rendimento.

A pesquisa de emprego feita pelo IBGE nas seis maiores regiões metropolitanas do país (São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Salvador, Recife e Porto Alegre) mostra que, depois de uma escalada de ganhos entre 2002 e 2010, os salários no serviço público ainda crescem, mas em ritmo inferior ao da renda _mais baixa_ do trabalho no setor privado.

Trata-se de uma consequência da estagnação da economia a partir do início do mandato da presidente Dilma Rousseff. Com o consumo e o investimento andando a passos mais lentos no país, perdeu fôlego também a arrecadação de impostos e a capacidade de conceder reajustes salariais aos servidores.

Os dados do IBGE contemplam empregados em todas as esferas de governo, mas é no Executivo federal, cujas informações sobre o quadro de pessoal são mais completas e detalhadas, que estão os melhores exemplos do impacto da freada econômica sobre a progressão dos salários.

Carreiras de elite, caso de delegados, auditores-fiscais, procuradores e diplomatas, que tiveram aumentos de até 69% em seu poder de compra durante os dois mandatos de Lula, receberam reajustes abaixo da inflação no governo Dilma.

Carreira de nível superior mais numerosa, os professores universitários mantiveram ganhos reais de salários, embora estejam longe dos mais de R$ 20 mil mensais pagos na elite do funcionalismo.

Uma das bases políticas e sindicais mais influentes no PT, os servidores civis do Executivo federal conseguiram, no governo Lula, reduzir sua desvantagem salarial em relação ao Judiciário e ao Legislativo.

Se considerados os mais de dez anos da administração petista, os gastos por servidor cresceram em todos os Poderes, mas o aumento foi muito maior no Executivo.

Leia também: Proporção de servidores na população ocupada é recorde

Amanhã (Dia do Servidor Público) no blog: Veja como evoluem as greves do funcionalismo

Blogs da Folha