Dinheiro Público & Cia

Receita e despesa, economia e política

 -

Blog explica como os governos tributam os cidadãos e utilizam o dinheiro público.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Greves duram 248% mais no serviço público que na iniciativa privada

Por Dinheiro Público & Cia

O número de greves tem crescido nos últimos anos tanto no setor privado como no setor público, mostram dados do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

Os dados deixam claro, porém, que há uma diferença essencial das greves em um setor e outro: no caso de servidores públicos, as paralisações chegaram a uma média de quase 160 horas paradas no ano passado, contra 46 na iniciativa privada.

“A ausência de regulamentação da negociação coletiva de trabalho no funcionalismo público continua a ser um fator importante para explicar a discrepância entre a duração das greves nas esferas pública e privada”, diz documento do Dieese.

Por esse raciocínio, no serviço público, em razão da inexistência de datas-base definidas, as paralisações acabam funcionando como um meio para forçar a abertura das negociações salariais.

Não é difícil imaginar também que a estabilidade no emprego facilita ficar parado por mais tempo.

O número de greves no serviço público federal, estadual e municipal, incluindo as estatais, saltou de 251, em 2009, para 409 no ano passado. O número de horas paradas cresceu ainda mais rapidamente, de 25,3 mil para 65,4 mil.

No setor privado, as greves chegaram a 461 no ano passado, mas as horas paradas não passaram de 21,2 mil, sempre segundo o Dieese.

Na virada do governo Lula para o governo Dilma, a freada da economia do país reduziu o ritmo dos reajustes salariais. Esse impacto foi mais intenso no serviço público, como o blog mostrou ontem.

Neste Dia do Servidor Público, leia também: Proporção de servidores na população ocupada é recorde

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade