Dinheiro Público & Cia

Receita e despesa, economia e política

 -

Blog explica como os governos tributam os cidadãos e utilizam o dinheiro público.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

4 lições da semana sobre a economia e a eleição

Por Dinheiro Público & Cia

Com noticiário econômico intenso, a semana que passou trouxe esclarecimentos importantes para as eleições:

1) A inflação não está domada, mesmo para um governo que considera 5,8% ao ano um bom negócio.

A gasolina subiu menos do que queria a Petrobras, num sinal de preocupação com os preços. O Banco Central subiu os juros para 10%, mas, ao contrário do que se esperava, não deu um sinal claro de mais moderação daqui para a frente.

A inflação pode acelerar perto das eleições se houver a temida alta do dólar, em caso de recuperação da economia dos EUA. Esse é o risco político mais imediato.

2) A privatização petista funciona e será defendida, ainda que possa causar incômodos internos no partido.

Depois do sucesso no leilão dos aeroportos do Rio e de Minas, uma rodovida federal foi concedida ao setor privado com boa disputa, num sinal de que algo, enfim, começou a dar certo na política econômica.

O governo dirá na campanha que não vende estatais, mas faz concessões que geram receita e investimentos. “O modelo, meu querido, é meu”, vangloriou-se Dilma Rousseff. A oposição, que não tem críticas a fazer, já começou a perder esse debate de novo.

3) O governo vai gastar sem parar, pelo menos até o dia das urnas.

Não haverá corte, ajuste, consolidação ou qualquer outra palavra ao gosto do mercado credor, porque o governo não acha necessário, a política não permite e nem mesmo há condições técnicas para conter a escalada das despesas

Os grandes gastos, quase todos na área social, já estão contratados. As despesas criadas pelo Congresso vão se tornar obrigatórias por lei. O que não tem remédio remediado está, até o próximo governo em 2015.

4) Os críticos serão tratados como inimigos, porque eleição não é hora de refletir e reconhecer erros.

Aliás, para Dilma, momentos de autocrítica são raros independentemente do calendário. A presidente comemora o sucesso dos leilões de concessão com ataques a “todos aqueles pessimistas, os incrédulos” e a todo tempo menciona “os que apostam contra o Brasil”.

Ao anunciar mais um resultado fraco das contas, o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, também se valeu do ataque a inimigos anônimos; no caso, “alguns do mercado”, supostamente interessados em semear temores em benefício próprio.

O blog vai mostrar, em infografia interativa, a explosão dos programas de transferência de renda em menos de duas décadas.

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade