Dinheiro Público & Cia

Receita e despesa, economia e política

 -

Blog explica como os governos tributam os cidadãos e utilizam o dinheiro público.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Recorde, arrecadação de R$ 1,17 tri em 2013 não cumpre meta da Receita

Por Dinheiro Público & Cia

A arrecadação do governo atingiu um novo recorde, de R$ 1,17 trilhão no ano passado em valores corrigidos pela inflação, mas não foi o bastante para cumprir as metas oficiais.

Esperava-se, de início, um aumento entre 3% e 3,5% acima da inflação nos impostos e contribuições sob responsabilidade da Receita Federal.

Ao longo de 2013, a previsão foi reduzida para 2,5%, uma taxa mais compatível com o crescimento da economia do país. A alta acabou sendo de 2,35%.

Os números da arrecadação -de R$ 1,14 trilhão em valores sem correção- acabaram inflados pelas receitas extraordinárias obtidas no final do ano graças à reabertura, em versão ampliada, do programa de incentivos ao pagamento de tributos em atraso.

Em novembro e dezembro, o programa rendeu R$ 21,8 bilhões aos cofres do Tesouro Nacional. O dinheiro, que ajudou a fechar na base do improviso as contas do ano passado, não é contado para a meta da Receita.

Subtraídos esses recursos, os dados mostram que a arrecadação regular de tributos cresce em um ritmo satisfatório na teoria, mas insuficiente na prática.

Satisfatório na teoria porque acompanha a expansão da economia, em torno de 2,3% em 2013 pelas projeções mais consensuais.

Insuficiente na prática porque não acompanha a escalada de gastos do governo Dilma Rousseff, na casa dos 7,5% acima da inflação até novembro.

Não por acaso, a Fazenda tem recorrido nos últimos anos a expedientes heterodoxos para engordar o caixa, como se apropriar de mais lucros das empresas estatais.

Em 2013, a saída foi oferecer vantagens aos devedores do Fisco em atraso, um artifício que havia sido rejeitado maio por estimular a sonegação.

O fraco desempenho da economia derrubou a arrecadação de alguns dos principais tributos federais.

Reduzido para estimular a produção, o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) teve queda de 3,52% em sua receita. No IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), a redução foi ainda mais aguda, de 10,09%.

Leia mais: Por mais receita, Dilma muda sanciona programa de parcelamento de tributos

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade