Dinheiro Público & Cia

Receita e despesa, economia e política

 -

Blog explica como os governos tributam os cidadãos e utilizam o dinheiro público.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Contas estaduais expõem mau desempenho de Eduardo Campos

Por Dinheiro Público & Cia

O Banco Central começou hoje a divulgar com mais detalhe os resultados das contas dos governos estaduais e municipais, o que dará maior visibilidade ao mau desempenho de um adversário da presidente Dilma Rousseff na campanha eleitoral.

No Estado de Pernambuco, governado por Eduardo Campos (PSB), as despesas com pessoal, custeio e investimentos superaram as receitas em R$ 1,5 bilhão no período de 12 meses encerrado em setembro, segundo os dados apresentados.

Trata-se do maior deficit observado no período entre todos os governos estaduais. As contas pernambucanas também fecharam 2012 no vermelho.

Até então, o BC só divulgava as somas dos resultados do Estados e dos municípios, sem diferenciar cada governo. Os resultados individualizados publicados pelas unidades da Federação nunca tiveram a repercussão no mercado dos números do BC.

Foi visível o cuidado na apresentação dos resultados. Não foram detalhados os resultados fechados do ano: em vez disso, em cada Estado foram somados os resultados do governo estadual e de seus municípios. O desempenho de cada um aparece com defasagem de três meses.

Com a crescente preocupação dos investidores quanto à solidez das contas públicas, o Palácio do Planalto e a área econômica têm indicado que buscarão um maior controle das finanças estaduais.

Propositalmente ou não, o movimento também ajuda a demonstrar que a escalada dos gastos não acontece apenas no governo federal -o que pode neutralizar críticas dos adversários na campanha.

Além de Pernambuco, Minas Gerais, vitrine do presidenciável tucano, Aécio Neves, não faz boa figura nos dados, com deficit de R$ 0,6 bilhão nos 12 meses até setembro.

O Estado é governado por Antonio Anastasia, que foi vice de Aécio. O balanço do Estado, apurado com outra metodologia, mostra superavit no ano até outubro.

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.

Blogs da Folha