Dinheiro Público & Cia

Receita e despesa, economia e política

 -

Blog explica como os governos tributam os cidadãos e utilizam o dinheiro público.

Perfil completo

Publicidade

Número de comissionados dispara no governo Alckmin, aponta IBGE; SP contesta e instituto altera dados

Por Dinheiro Público & Cia

O número de cargos comissionados, tradicionalmente utilizados para abrigar aliados políticos, disparou no governo paulista no ano passado, segundo dados divulgados hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Na administração diretamente ligada ao tucano Geraldo Alckmin (PSDB), os nomeados sem vínculo com o serviço público saltaram de 1.657, em 2012, para 8.167. Considerando também a administração indireta, o número subiu de 7.747 para 14,7 mil.

Atualização – O governo de São Paulo contestou e o IBGE alterou os dados.

Veja abaixo os principais dados levantados pelo IBGE sobre o funcionalismo nos Estados e no Distrito Federal:

chamada_administracao

Trata-se de um tema politicamente delicado: a escalada das nomeações partidárias no Executivo federal é um dos principais motivos de crítica dos tucanos aos governos petistas de Lula e Dilma Rousseff.

No Palácio do Planalto e nos ministérios, são 22,7 mil em cargos de livre nomeação, dos quais 5.926 não têm nenhum vínculo com o serviço público.

Ao todo, o quadro de pessoal do Executivo paulista passou por um aumento expressivo no ano passado, de 570,3 mil para 612,1 mil. A alta é 7,3%; nos três anos inteiros do mandato de Dilma, o número de servidores civis federais cresceu 3,3%.

A Secretaria de Gestão contesta os dados. Segundo a contabilidade paulista, o total de servidores do Executivo caiu de 699,6 mil para 681,4 mil no período. O governo pondera que as cifras são modestas como parcela da população: há um servidor para cada 61 habitantes.

Se, para o IBGE, a expansão do funcionalismo em São Paulo foi a maior do país em termos absolutos, o Ceará lidera, com folga, a elevação em termos percentuais.

O instituto apurou uma alta de impressionantes 47,5% no funcionalismo cearense de 2012 para 2013 -de 65,2 mil para 96,2 mil.

Questionado, o governo do Ceará afirmou contabilizar apenas 61 mil servidores na ativa e que analisaria os dados do IBGE. O blog será atualizado se o Estado prestar mais esclarecimentos.

Leia mais: Sem intenção, IBGE expõe falta de transparência nas contas estaduais

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.

Blogs da Folha

Mais acessadas

Nada encontrado
Publicidade
Publicidade
Publicidade