Dinheiro Público & Cia

Receita e despesa, economia e política

 -

Blog explica como os governos tributam os cidadãos e utilizam o dinheiro público.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Indeciso, BC tenta defender política de juros; veja, com tradução, os 5 trechos essenciais da mensagem

Por Dinheiro Público & Cia

O Banco Central divulgou uma ata de 34 parágrafos para explicar por que elevou sua taxa de juros de 10,75% para 11% ao ano e quais são suas intenções daqui para a frente.

Mais confusa que o habitual, a mensagem pode ser resumida em cinco trechos essenciais, reproduzidos abaixo com a devida (quando possível) tradução do idioma do BC.

“O Copom decidiu, por unanimidade, neste momento, elevar a taxa Selic em 0,25 p.p.”

Tradução – “O Banco Central decidiu subir os juros agora, mas não tem (ou não tinha) certeza da necessidade de uma nova alta em maio.”

Nota – Copom é o Comitê de Política Monetária, formado pela cúpula do BC, e Selic é a taxa de juros. Num sinal da indefinição sobre os próximos passos, foi suprimida a afirmação de que a medida estava “dando prosseguimento ao processo de ajuste da taxa”, repetida em atas anteriores.

“O Comitê irá monitorar a evolução do cenário macroeconômico até sua próxima reunião, para então definir os próximos passos na sua estratégia”

Tradução – “Se o dólar permanecer estável ou em queda, se a economia continuar devagar e se a inflação não der sinal de alta, poderemos parar de subir os juros.”

Nota – A reunião do BC aconteceu na semana passada. Ontem, soube-se que a inflação de março superou as expectativas e chegou a 0,92%, enfraquecendo as esperanças do BC.

“A projeção para a inflação de 2014 aumentou (…) e permanece acima da meta de 4,5%. Para 2015, (…) a projeção de inflação elevou-se.”

Tradução – “Embora já tenhamos desistido de cumprir a meta de 4,5%, precisamos cuidar para que o limite máximo de 6,5% não seja ultrapassado.”

Nota – Nos últimos 12 meses, a inflação acumula 6,15%, e boa parte dos analistas já aposta em estouro do teto em 2014.

“As trajetórias de importantes indicadores econômicos durante o atual ciclo de ajuste da taxa Selic, bem como as perspectivas para essas trajetórias nos próximos trimestres, apresentam-se em linha com o que se poderia antecipar. (…) Os impulsos monetários introduzidos na economia desde abril de 2013 têm se propagado normalmente.”

Tradução – “Apesar de a inflação não estar caindo mesmo depois de um ano inteiro de alta de juros, achamos que os resultados de nossa política são normais.”

Nota – Principal novidade da ata, um parágrafo longo e confuso procura defender a política do BC das críticas recentes à sua ineficácia. O BC diz que a alta de juros ainda vai fazer efeito.

“É plausível afirmar que, na presença de níveis de confiança relativamente modestos, os efeitos das ações de política monetária tendem a ser potencializados.”

Tradução (atualizada) – “A economia fraca pode ajudar no controle da inflação.”

Nota – No que parece ser um eufemismo para a economia estagnada e o pessimismo de consumidores e empresários, o BC apresenta mais um argumento para uma eventual interrupção da alta dos juros.

Leia mais: A tradução da ata de março

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.

Blogs da Folha

Mais acessadas

Nada encontrado
Publicidade
Publicidade
Publicidade