Dinheiro Público & Cia

Receita e despesa, economia e política

 -

Blog explica como os governos tributam os cidadãos e utilizam o dinheiro público.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BC vê queda do crescimento e da inflação; veja, com tradução, 5 trechos essenciais da mensagem

Por Dinheiro Público & Cia

O Banco Central divulgou uma ata de 31 parágrafos para explicar por que manteve sua taxa de juros de em 11% ao ano e quais são suas intenções daqui para a frente.

Menos prolixa que o habitual, a mensagem pode ser resumida em cinco trechos essenciais, reproduzidos abaixo com a devida  tradução do idioma do BC.

“Avaliando a evolução do cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação, o Copom decidiu, por unanimidade, neste momento, manter a taxa Selic em 11,00%”

Tradução – “A inflação ainda está alta, mas como a economia ficou ainda mais fraca [e é ano eleitoral], o Banco Central decidiu parar com alta dos juros.”

Nota – Copom é o Comitê de Política Monetária, formado pela cúpula do BC, e Selic é a taxa de juros, que vinha subindo desde abril do ano passado, quando estava em 7,25%.

“O Copom pondera que o ritmo de expansão da atividade doméstica tende a ser menos intenso este ano, em comparação ao de 2013.”

Tradução – “Se o ano passado, quando a economia cresceu apenas 2,5%,  já foi ruim para a produção, o consumo e os investimentos, este vai ser ainda pior, pelo que mostram os resultados dos primeiros meses.”

Nota – Até a ata anterior, o BC considerava que a economia se manteria “relativamente estável” neste ano, em comparação com 2013.

“A projeção para a inflação de 2014 diminuiu em relação ao valor considerado na última reunião, mas permanece acima da meta de 4,5%.”

Tradução – “Como não temos a intenção de cumprir a meta de inflação, a queda da projeção (provocada pela piora da economia) é motivo suficiente para interromper a alta dos juros.”

Nota – A projeção do mercado para a inflação do ano caiu de 6,51% para 6,47%, pouco abaixo do limite máximo de 6,5% fixado na legislação.

“A propósito, para combater essas e outras pressões inflacionárias, nos últimos doze meses as condições monetárias foram apertadas, mas o Comitê avalia que os efeitos da elevação da taxa Selic sobre a inflação, em parte, ainda estão por se materializar.”

Tradução – “Os juros já subiram bastante, e as consequências -queda do crédito, do consumo e do investimento- ainda serão sentidas nos próximos meses.”

Nota – Foi retirado da ata um trecho que defendia a eficácia da política de juros, a despeito de a inflação permanecer alta.

“Além disso, é plausível afirmar que, na presença de níveis de confiança relativamente modestos, os efeitos das ações de política monetária sobre a inflação tendem a ser potencializados.”

Tradução – “Já existe pessimismo suficiente entre empresários, investidores e consumidores para esfriar a economia sem novas altas dos juros.

Nota – Na continuação do trecho anterior, o BC repete argumento da ata passada que preparava o terreno para a interrupção da alta de juros.

Leia mais: A tradução da ata de abril

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.

Blogs da Folha