Dinheiro Público & Cia

Receita e despesa, economia e política

 -

Blog explica como os governos tributam os cidadãos e utilizam o dinheiro público.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Dilma e Aécio trocam acusações sobre juros altos; veja quem tem razão

Por Dinheiro Público & Cia

Com boa dose de esquecimento da história, Dilma Rousseff e Aécio Neves trocam acusações sobre os juros altos nos governos tucanos e petistas.

“Na época do PSDB os juros chegaram a 45%”, disse Dilma neste sábado (18), em sua conta no twitter; “Dilma fez o Brasil ter as mais altas taxas de juros do mundo”, afirmou no mesmo dia o programa de TV de Aécio.

Ambos se referem à taxa Selic, fixada pelo Banco Central, que serve de referência para os juros pagos pelas aplicações financeiras e os custos dos empréstimos e financiamentos.

Veja a evolução da taxa desde sua criação, em 1986.

Selic 1986-2014

Os dados mostram que, embora elevados, os juros estão em tendência de queda -lenta e nem sempre contínua- desde o Plano Real. No auge da hiperinflação, a taxa ultrapassou inacreditáveis 100.000% ao ano.

No governo FHC, a Selic de fato chegou a 45%, por três semanas, em março de 1999, durante uma ameaça de descontrole inflacionário. Mas, se comparados o início e o fim de sua passagem pelo governo federal, os tucanos reduziram os juros pela metade: de 49,9%, herdados do final de 1994, para 25%, taxa deixada para Lula ao final de 2002.

A taxa hoje é bem menor, de 11%, mas, como aponta a propaganda de Aécio, é a mais alta do mundo em termos reais, ou seja, descontando a inflação.

Ranking elaborado pelo site Moneyou, com as 40 principais economias do mundo, mostra que os juros reais brasileiros chegam a 4,48%, considerada a inflação esperada para os próximos 12 meses. A segunda maior taxa é a da China, de 3,41%.

Os juros reais chegaram a ficar abaixo de 2% em 2012, quando a Selic estava em 7,25%, patamar mais baixo da história. O Banco Central, porém, precisou elevar as taxas para conter a alta dos preços.

Esse, no entanto, está longe de ser um problema exclusivo de Dilma. As taxas brasileiras encabeçam rankings mundiais desde os anos 90, em razão do controle ainda precário e incompleto da inflação e das contas do governo.

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.

Blogs da Folha