Dinheiro Público & Cia

Receita e despesa, economia e política

 -

Blog explica como os governos tributam os cidadãos e utilizam o dinheiro público.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Entenda os desafios econômicos que imporão escolhas difíceis a Dilma

Por Dinheiro Público & Cia

1

Orçamento desequilibrado – Desde 2012, os gastos do governo, concentrados em benefícios sociais, têm crescido mais rapidamente que as receitas, numa tentativa de estimular a economia e preservar os empregos.

O deficit nas contas do Tesouro e a dívida pública estão em alta, o que leva investidores a cobrar juros mais elevados para emprestar dinheiro ao governo.

Para reverter essa situação, será necessário conter a expansão dos programas sociais, o que pode prejudicar a economia e gerar desgaste político. Outra opção é elevar impostos, o que tem efeitos colaterais ainda mais agudos.

Deficit nas transações com o exterior – A produção nacional de bens e serviços é inferior às compras das famílias e empresas, o que levou a um crescimento das importações, de gastos de turistas em outros países, pagamentos de juros e outras despesas.

Com isso, o Brasil fica mais vulnerável a oscilações do mercado internacional. Uma esperada alta do dólar no futuro, por exemplo, reduzirá o poder de compra nacional e prejudicará o consumo e os investimentos.

Para reduzir o deficit, é preciso reduzir o descompasso entre a demanda e a oferta de bens. Ou, em outras palavras, consumir menos enquanto não for possível produzir mais.

Crescimento econômico fraco – A crise internacional comprometeu o desempenho de quase todos os países, mas no Brasil os impactos foram agravados pelo descrédito de investidores na política econômica.

A taxa de investimento (gasto em obras e equipamentos destinados a expandir a produção) nacional, que já era baixa, encolheu e hoje é de apenas 16,5% da renda dos brasileiros.

Se o cenário global continuar desfavorável, o governo precisará recuperar a credibilidade com equilíbrio orçamentário e controle da inflação -o que, num primeiro momento, poderá elevar o desemprego.

Inflação elevada – O IPCA, índice que serve de referência para as metas do governo, está acima do teto de 6,5% ao ano fixado na legislação, mesmo com a economia e o consumo andando devagar.

Desde 2011, o Banco Central desistiu de cumprir a meta de 4,5%, para evitar uma alta de juros que derrubasse o consumo e elevasse o desemprego. A saída foi segurar preços como os da gasolina e da energia elétrica, comprometendo as contas de empresas estatais e do Tesouro Nacional.

Se quiser recuperar a confiança nas metas oficiais, o BC terá de mostrar comprometimento com um cronograma de redução gradual da inflação. Por comprometimento, entenda-se a disposição de elevar os juros, se necessário.

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.

Blogs da Folha

Mais acessadas

Nada encontrado
Publicidade
Publicidade
Publicidade