Dinheiro Público & Cia

Receita e despesa, economia e política

 -

Blog explica como os governos tributam os cidadãos e utilizam o dinheiro público.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Fizemos ‘o melhor para o país’, diz secretário do Tesouro sobre deficit

Por Dinheiro Público & Cia

Um dos petistas mais afinados com a presidente Dilma Rousseff, o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, defende as escolhas que levaram ao deficit inédito nas contas do governo.

“O governo acha que optou pelo melhor para o país”, disse Augustin nesta sexta-feira (31), ao anunciar os resultados.

Na argumentação do secretário, o desequilíbrio orçamentário é consequência de uma arrecadação inferior à esperada, devido a um crescimento econômico também inferior às expectativas.

Já a debilidade da economia seria decorrente da crise internacional e de fenômenos fora do controle do governo -como a seca, que encareceu alimentos e alimentou a inflação, levando o Banco Central a elevar os juros.

Mesmo sem receita suficiente, sustenta o secretário, a área econômica preferiu não cortar investimentos e gastos em educação, para não sacrificar o crescimento da economia.

O PIB (Produto Interno Bruto) deverá ter expansão próxima de zero neste ano, mas, para Augustin, o cenário seria pior se não fosse a atuação do governo.

As declarações explicam de forma mais clara o que foi o debate central da campanha eleitoral deste ano.

O tucano Aécio Neves apontou que, enquanto o governo protela os ajustes inevitáveis, o desequilíbrio do Orçamento mina a confiança dos investidores no país, impedindo o crescimento da economia.

Dilma acusou o adversário de planejar medidas amargas na forma de juros mais altos e cortes de despesas. Pela visão defendida nos debates, o mérito da política econômica foi preservar o emprego e os programas sociais em um momento adverso do cenário global.

Embora defenda a opção do presente, Augustin disse que estão em estudo medidas para “adequar a situação fiscal”.

A presidente reeleita ainda não deu sinais claros sobre o futuro. Não se sabe ao certo se haverá mudanças na política ou novas tentativas de seguir a mesma receita. Nem mesmo se sabe se o secretário do Tesouro será mantido.

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.

Blogs da Folha