Dinheiro Público & Cia

Receita e despesa, economia e política

 -

Blog explica como os governos tributam os cidadãos e utilizam o dinheiro público.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Governo reduz previsão de receita em R$ 38 bi e eleva despesa em R$ 32 bi

Por Dinheiro Público & Cia

A exatos 40 dias do final do ano, o governo Dilma Rousseff admitiu, na prática, que superestimou sua previsão de receitas e subestimou a de despesas -e deu dimensões mais precisas desse irrealismo.

Divulgado nesta sexta-feira (21), o relatório bimestral da execução orçamentária projetou que a arrecadação de tributos e outras fontes de recursos somará R$ 1,046 trilhão em 2014. Até setembro,  a área econômica previa um montante superior em R$ 38,4 bilhões.

Já a estimativa de despesas aumentou R$ 32,3 bilhões, para R$ 1,039 trilhão. Só com seguro-desemprego e abono salarial, a previsão de gastos cresceu R$ 8,8 bilhões; com benefícios da Previdência, R$ 8,1 bilhões; com subsídios para as contas de luz, R$ 1,5 bilhão.

Com as novas projeções, o Executivo assume formalmente que não cumprirá a meta de poupar R$ 80,8 bilhões para o abatimento da dívida pública. No documento publicado, a poupança calculada é de apenas R$ 10,1 bilhões -mas nem isso é certeza.

O governo enviou neste mês ao Congresso um projeto que sepulta a meta. O texto permite até que as contas federais fechem no vermelho, ou seja, com gastos acima das receitas.

A estratégia do Planalto neste ano reeleitoral foi trabalhar com uma projeção excessivamente otimista de receitas para, assim, evitar cortes de despesas.

Pela Lei de Responsabilidade Fiscal, as despesas devem ser bloqueadas quando a arrecadação é reestimada para baixo nos relatórios bimestrais do Orçamento. Dessa forma, a legislação procura garantir o cumprimento da meta fixada para a poupança do ano.

O relatório bimestral ainda reduz as previsões para o crescimento neste ano, de 0,9% para 0,5%, e em 2015, de 3% para 2%. Ainda assim, trata-se de otimismo: o mercado prevê 0,2% em 2014 e 0,8% no próximo ano.

Leia mais: Veja como o governo driblou a lei para descumprir a meta fiscal

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.

Blogs da Folha