Dinheiro Público & Cia

Receita e despesa, economia e política

 -

Blog explica como os governos tributam os cidadãos e utilizam o dinheiro público.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

No chão, PIB brasileiro receberá novos pontapés da política econômica

Por Dinheiro Público & Cia

Países que combinam inflação alta e crescimento econômico baixo têm uma escolha cruel pela frente, porque os tratamentos disponíveis para um dos distúrbios agravam o outro.

As novas diretrizes econômicas anunciadas pela administração petista apontam que a opção foi feita, e o PIB (Produto Interno Bruto) do país, já no chão, receberá pontapés adicionais.

As taxas de juros do Banco Central, que já foram elevadas de 7,25% para 11,25%, continuarão subindo para encarecer o crédito, conter o consumo, debilitar o mercado de trabalho e tirar o fôlego da alta dos preços.

O governo cortará seus gastos e, possivelmente, elevará impostos -o que também reduz as compras de bens e serviços.

Adicionalmente, os bancos públicos concederão menos crédito subsidiado, o que significará menos investimentos de empresas privadas e estatais.

Trata-se de um ajuste comparável ao promovido em 2003, no primeiro ano do governo Lula, quando a prioridade era recuperar a confiança de empresários, credores e investidores. Para os objetivos da época, deu certo: depois de um arrocho fiscal e monetário, de uma piora do desemprego e da miséria, a economia voltou a crescer bem em 2004.

Tenta-se algo parecido agora. Controlada a inflação e ajustado o Orçamento do governo, os investimentos privados poderiam voltar e, depois de um ano de purgatório, o país deixaria a paralisia a partir de 2016.

Há dez anos, porém, a estratégia contou com a ajuda providencial da China, cuja expansão econômica espetacular encareceu os preços de produtos primários como petróleo, minério de ferro e soja, impulsionando as exportações brasileiras.

Não há essa perspectiva agora, e o risco de promover sacrifícios em vão foi a justificativa do primeiro governo Dilma Rousseff para manter gastos e inflação em alta, enquanto se buscava a volta do crescimento. Após quatro anos de espera, essa alternativa se esgotou.

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade