Dinheiro Público & Cia

Receita e despesa, economia e política

 -

Blog explica como os governos tributam os cidadãos e utilizam o dinheiro público.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Apesar de alta dos juros, inflação esperada é a maior em 12 anos

Por Dinheiro Público & Cia

A despeito da elevação dos juros promovida pelo Banco Central desde o ano passado, o pessimismo do mercado com a inflação do ano seguinte é o mais acentuado desde 2002.

Enquanto a taxa Selic, do BC, subiu de 7,25% para 11,75% ao ano, as projeções para alta dos preços nos 12 meses seguintes aumentaram de 5,5% para 6,5% desde abril do ano passado.

Veja no gráfico abaixo como o aperto monetário foi ineficaz na tentativa de aproximar as expectativas de analistas e investidores da meta de 4,5% ao ano.

x9Jam

Em um regime de metas de inflação, as expectativas são fundamentais: se empresários e trabalhadores acreditam no cumprimento da meta, os preços e salários tendem a convergir para o objetivo fixado.

Na gestão de Alexandre Tombini, porém, o BC nunca se comprometeu a manter a inflação na meta. A instituição se deu por satisfeita em respeitar o teto legal de 6,5% ao final de cada ano. Essa é a taxa esperada para 2015.

Além da perda de credibilidade do BC, a escalada do deficit nas contas do governo Dilma Rousseff também contaminou a eficácia da política de juros.

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.

Blogs da Folha