Sob Dilma, crédito fica estagnado nos bancos privados e dispara nos públicos

Por Dinheiro Público & Cia

No primeiro governo Dilma Rousseff, a expansão do crédito bancário dependeu basicamente dos bancos públicos.

Enquanto as instituições privadas se retraíram, os estatais Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) ampliaram financiamentos a empresas e consumidores.

kWLeL

Segundo dados divulgados nesta terça-feira (27), os bancos públicos ampliaram em 2014 a liderança que haviam assumido em 2013 no mercado de crédito, cujas dimensões bateram novo recorde e chegaram a 58,9% do PIB (Produto Interno Bruto, ou seja, toda a renda anual do país).

Para manter os financiamentos em expansão, o governo teve de se endividar para injetar dinheiro em seus bancos, em especial no BNDES.

Agora que o segundo governo Dilma precisa estancar a escalada da dívida pública, o crédito nas instituições estatais terá de ser moderado. Isso significará menos consumo e investimentos -ao menos até que o setor privado recupere a confiança na economia.

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.