BC vê ‘certa deterioração’ na economia; veja, com tradução, os 4 trechos essenciais da mensagem

Por Dinheiro Público & Cia

O Banco Central divulgou uma ata de 33 parágrafos para explicar por que decidiu, na semana passada, manter sua taxa de juros em 14,25% ao ano e quais são suas intenções daqui para a frente.

Anterior ao rebaixamento da nota de crédito do país, o documento não aponta mais que uma “certa deterioração” dos riscos econômicos. A mensagem pode ser resumida em quatro trechos essenciais, reproduzidos abaixo com a devida tradução do idioma do BC.

“Para 2016, a projeção de inflação reduziu-se (…) e encontra-se em torno da meta de 4,5%.”

Tradução – “Apesar do ceticismo geral, acreditamos no cumprimento da meta no próximo ano. Do contrário, teríamos de subir os juros.”

Nota – A projeção central do mercado para a inflação de 2016 subiu de 5,51% para 5,58%. A meta é superada desde 2010.

“O cenário de convergência da inflação para 4,5% no final de 2016 tem se mantido, apesar de certa deterioração no balanço de riscos.”

Tradução – “Depois que o governo elaborou um Orçamento deficitário, pioraram as projeções do mercado para a inflação, a alta do dólar, a dívida pública e a recessão.”

Nota – O trecho anterior à vírgula já constava de atas anteriores. A ressalva foi introduzida agora.

Alterações significativas na trajetória de geração de superavit primários impactam as hipóteses de trabalho contempladas nas projeções de inflação e contribuem para criar uma percepção menos positiva sobre o ambiente macroeconômico no médio e no longo prazo.”

Tradução – “Queremos continuar acreditando que haverá superavit no caixa do Tesouro Nacional, mas o governo precisa ajudar.”

Nota – Depois da péssima repercussão da proposta orçamentária, o governo promete agora alterar o projeto para reverter a previsão de deficit.

“Os indicadores disponíveis mostram que as taxas de crescimento da absorção interna e do PIB continuaram a se ajustar e confirmam que o ritmo de expansão da atividade doméstica neste ano será inferior ao potencial. Esse processo está sendo intensificado pelas incertezas oriundas do efeito de eventos não econômicos.

Tradução – “A crise política está agravando a recessão econômica.”

Nota – A recessão, cujo fim ainda não é visível, contribui para a decisão de não elevar ainda mais os juros.

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.