BC pede que governo persevere em reformas; leia, com tradução, os 5 trechos essenciais da mensagem

Por Dinheiro Público & Cia

O Banco Central divulgou uma ata de 33 parágrafos para explicar por que decidiu, na semana passada, manter sua taxa de juros em 14,25% ao ano e quais são suas intenções daqui para a frente.

Emparedado entre uma inflação alta e uma recessão profunda, o BC se limita a esperar que algum ajuste nas contas do Tesouro Nacional ajude a economia. Por isso, pede que o governo não desista de reformas como a da Previdência.

A mensagem pode ser resumida em cinco trechos essenciais, reproduzidos abaixo com a devida tradução do idioma do BC.

“O Copom, então, decidiu manter a taxa Selic em 14,25% a.a., sem viés, por seis votos a favor e dois votos pela elevação da taxa Selic em 0,50 p.p.”

Tradução – “Apesar da inflação alta, só dois diretores do BC defendem aumentar os juros para 14,75%.”

Nota – Copom é o Comitê de Política Monetária, formado pela cúpula do BC. Nas reuniões anteriores, em janeiro e novembro, as votações foram idênticas.

“Houve elevação da projeção para a inflação em relação ao valor considerado na reunião anterior, tanto para 2016 quanto para 2017, ambas se situando acima da meta de 4,5%.”

Tradução – “Não cumpriremos a meta de inflação neste ano nem, provavelmente, no próximo.”

Nota – Até o início de janeiro, o BC indicava uma alta de juros para evitar que a inflação ultrapasse neste ano o teto de 6,5%. Subitamente, mudou de ideia, suscitando a interpretação de que havia sucumbido a pressões políticas.

“As taxas de crescimento da absorção interna e do PIB continuam a se ajustar, indicando ritmo de expansão da atividade doméstica neste ano inferior ao previsto anteriormente.”

Tradução – “O Brasil vive uma recessão muita mais profunda do que se podia imaginar.”

Nota – A economia do país encolheu 3,8% no ano passado, maior queda desde 1990, e deve ter desempenho semelhante neste ano. Uma alta dos juros agravaria o cenário.

“O Copom considera que o ambiente externo permanece especialmente complexo.”

Tradução – “Não sabíamos se a economia mundial melhoraria ou pioraria; agora, sabemos ainda menos.”

Nota – A palavra “especialmente” foi acrescentada agora a esse trecho da ata. Nos últimos dias, os mercados globais mostraram maior otimismo.

“Ressalte-se a importância de se perseverar na promoção de reformas estruturais de forma a assegurar a consolidação fiscal em prazos mais longos.”

Tradução – “Entre inflação e recessão, não temos mais muito o que fazer. Por isso, o governo precisa de reformas para equilibrar seu Orçamento.”

Nota – O governo ameaça desistir da reforma da Previdência, que enfrenta resistências do PT.

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.