Temor de alta de tarifa pública pós-eleição eleva projeções de inflação

Até aqui responsáveis por manter a inflação abaixo do teto anual de 6,5%, as tarifas públicas e outros preços monitorados pelo governo agora alimentam o pessimismo dos especialistas com o futuro próximo.

Como o represamento das tarifas vem provocando perdas para os cofres federais, estaduais e municipais, calcula-se que haverá reajustes mais fortes daqui para a frente.

Pela tradição nacional, correções desse tipo, impopulares, costumam ser deixadas para depois das eleições -pelo menos a maior parte delas.

Os preços administrados pelo poder público subiram apenas 1,5% no ano passado, atenuando o impacto do encarecimento de 7,3% dos demais produtos e serviços.

Para este ano, a expectativa dos analistas de mercado para a alta dos preços monitorados já foi elevada de 4% para 4,7%. Para 2015, de 5% para 6% -a mesma projeção para o IPCA integral.

As tarifas já estão em alta por causa dos aumentos das contas de luz. Com a alta do consumo e a escassez de chuvas, nem os subsídios de R$ 13 bilhões do Tesouro Nacional evitam os reajustes.

Mas há outros preços à espera de um aumento, como os da gasolina e do transporte público.

No primeiro caso, o controle de preços tem prejudicado a Petrobras, cujo valor de mercado despencou nos últimos anos.

No segundo, as passagens de ônibus e metrô são subsidiadas a custos crescentes por Estados e municípios, que com isso perdem recursos para investimentos.

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.

Comentários

  1. Gustavo, não sei sua idade. Em abril de 64 tinha 10 anos de idade. A única lembrança que tenho é da minha mãe buscar-me no “Grupo Escolar”. As aulas foram suspensas. Aí deu no que deu. Fique claro que nunca tive problema com o regime. A impressão que tenho hoje(por aquilo que li e me foi passado) é que o caldo que originou tudo no passado, está em estado avançado. Já se ouve alguns segmentos da sociedade apoiando algum tipo de providência.( se é que me entende). Analisar os efeitos é importante (é o que voce e a maioria dos economistas fazem). Mas é preciso coragem e discernimento para apontar as causas. Depois de nada adiantará chorar o leite derramado e daqui há 20/ 30 anos surgirem as Comissões Disso – Daquilo.

  2. E, pelo andar da carruagem, tudo indica que o IPCA não vai esperar junho para estourar o teto da meta e pode estourar JÁ NESTE MÊS DE ABRIL; no máximo (ou na melhor das hipóteses) podemos esperar o estouro para MAIO.
    E isso não é politiquês e nem economês … é ARITMÉTICO, e não tem dilmês ou manteguês que mude isso.
    Como a inflação de abril/2013 foi de 0,55%, qualquer número acima disso neste mês irá empurrar o acumulado de 12 meses para mais perto do teto da meta; bastará uma inflação de 0,88% em abril para o IPCA cravar já neste mês a marca de 6,50% no acumulado de 12 meses.
    Qualquer número acima disso e já teremos um estouro do teto neste mês.
    Importante ressaltar que, no período de maio a setembro de 2013, os índices apurados foram de 0,37%, 0,26%, 0,03%, 0,24% e 0,35% – uma sequência bastante comportada, difícil de se repetir nos próximos meses deste ano.

Comments are closed.