Mulheres ocupam apenas 20% dos principais cargos no governo

A chegada de uma mulher à Presidência da República não significou maior participação feminina na cúpula da administração federal.

No governo Dilma Rousseff, as mulheres ocupam apenas um quinto dos principais cargos do Poder Executivo, uma fatia inferior à do final do governo Lula.

Dos 39 ministros, oito são mulheres. No segundo escalão, a proporção é semelhante: são 61 entre 310 postos.

Em dezembro de 2010, eram apenas três ministras, mas as mulheres ocupavam 70, ou 24%, dos 291 cargos de livre nomeação classificados como NES (Natureza Especial) e DAS-6 (Direção e Assessoramento Superiores, no nível mais elevado).

Formam esse grupo secretárias-executivas, secretárias de Estado, assessoras-chefes e presidentes (ou presidentas, como prefere Dilma) de instituto, entre outras funções de comando.

Se considerado todo o quadro dos ministérios e da Presidência, o serviço público mostra um equilíbrio bem maior entre homens e mulheres -as servidoras são 45,7% do total. A proporção cai conforme se avança até o topo da hierarquia.

Uma das explicações para a falta de avanço na participação feminina é a divisão dos ministérios entre os partidos aliados, menos engajados que o PT em políticas de gênero.

Todas as ministras da Esplanada, de fato, são petistas.

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Pergunte na área de comentários ou pelo Facebook.

Comentários

  1. Realmente não há mais espaço para o conservadorismo na imprensa brasileira. Feministas, GLBTs e esquerdistas. Esse é o novo Brasil.

  2. Se com apenas 20% de mulheres nos “governos dos oprimidos”, quero dizer governos petistas, já estamos indo ladeira abaixo, com a Petrobrás falindo entre outras coisas, imagine com mais mulheres no Pudê.
    Chega! Já tem incompetente demais.

    1. Gostaria de saber mais sobre essa tal “falência” da Petrobras, se vc não sabe, em 2013 foram R$ 23 Bilhões de lucros. Não consigo ver falência aí.

  3. Já ouve bastante avanço em vários níveis. Mas é insubstituível com relação as responsabilidades que consiste na capacidade de percepção e versatilidade.

  4. Dilma, Marta, M Belchior, Ideli, Maria do Rosário, Gleisi, Menicucci, Graça, T Campelo, L Bairros, a ex-Iriny, a ex-Ana de Holanda, a ex-Erenice, governadoras Rosalba, Sarnenta, … – Acho que o estrago já é grande demais para essas senhoras ainda terem mais kumpanhêras.

  5. Mas, e ai? Se tomarem mais cargos, os homens ficarão desempregados; seja em qualquer atividade. Nessa zica de País , não têm emprego para todos. E ainda vêm uma enxurrada de forrasteiros de outros Paises.

  6. VCS QUEREM MAIS O QUE. O PRINCIPAL CARGO É OCUPADO POR UMA MULHER, A PRESIDENTE DA REPÚBLICA. NÃO CONSIGO ENTENDER PORQUE PRESIDENTA, MAS TUDO BEM. O QUE IMPORTA É TERMOS UMA MULHER E ACIMA DE TUDO DO PT. QUANDO EU ERA ADOLESCENTE UMA FIRUGINHA DO PELÉ VALIA MAIS DO QUE O ALBUM INTEIRO, ENTÃO A FIGURINHA CARBIMBADA DA DILMA VALE MAIS DO QUE TODOS OS ALBUNS DAS MULHERES QUE DESFILARAM DE BUNDA DE FORA NO CARNVAVAL, É ISSO QUE AS MULHERES TEM QUE ESTAR ATENTAS, DEIXAREM DE SER MERCAADORIA DE CONSUMO.

  7. O problema não é do percentual de mulheres ocupam cargos nos governos , mas o percentual de pessoas íntegras que há no governo .

  8. Cara podia ter 100% de mulheres, desde que diminui-se um pouquinho o número de corruptos.

  9. Pensei que quando as mulheres chegassem ao poder, seriam mais hábeis e tolerantes, porem, ao chegarem lá, elas se masculinizam e se tornam iguaizinhos aos homens que criticavam. Uma lástima.
    P/ ex.: O que há de feminino na PresidentA, onipotANTA, arrogantA? E na Fräu Merkel?

  10. e ja é demais até..olha o que adilma esta fazendo com o pais..

  11. A matéria fala do governo (Poder Executivo). Parece que no Judiciário os cargos comissionados, de chefia, são ocupados preferencialmente por mulheres. E no Legislativo?

    1. Mauricio,

      O Executivo oferece maior transparência e detalhamento dos dados sobre os servidores. Se houver dados disponíveis sobre os demais Poderes, o blog procurará noticiar.

      1. Pela prática de trabalhar em um órgão público (judiciário trabalhista de São Paulo), a proporção entre homens e mulheres tanto nos cargos efetivos como nos comissionados está em 50/50.

        Exceto nos cargos de direção do Tribunal que são ocupados exclusivamente por mulheres (Presidência, Vice-Presidência Administrativa, Vice-Presidência Judicial e Corregedoria).

  12. As mulheres tem oportunidades iguais aos homens nos cargos concursados e, se ocuparem estes cargos será por mérito e competência e não por serem mulheres. A propósito, com tantas mulheres competentes neste pais nenhum é nomeada para “cargos de confiança”, por que será?

  13. Sem com uma o estrago está acabando com o Brasil, o que dirá com mais?

  14. Coisa chata esse negócio de feminismo e racismo. Querem forçar a barra e colocar pessoas (às vezes incompetentes) em determinados cargos e funções só porque pertencem a certa etnia ou para “equiparação de gêneros” e blá blá blá… A competência fica em segundo ou terceiro plano. Por isso que esse país não sai da MERLA.
    P.s.: Sou negro!!

  15. Ainda bem! A Maria das Graças Foster sozinha conseguiu quebrar a Petrobras, a Maria do Rosário despertou o ódio de toda a nação ao defender delinquentes e a Dilma…quebrou o Brasil!!

  16. O importante não é competitividade de sexo e sim, o grau de nível nas diversas áreas do social, do conhecimento, trabalho, etc.

Comments are closed.